29 de mai de 2008

Que tristeza que dá

E por falar em campanhas de incentivo à leitura, aí vai um dos resultados da pesquisa "Retratos da Leitura", que o Instituto Pró-Livro divulga hoje: os estudantes brasileiros lêem 7,2 livros por ano, mas 5,5 deles são didáticos ou indicados pela escola. Apenas 1,7 livro é lido por vontade e escolha própria.

Pois é.
(ST)

28 de mai de 2008

Garota propaganda

Crítica e sempre engajada, Mafalda é a top-model de uma campanha de incentivo e divulgação da leitura na Argentina. "Ler nos faz pensar, entender, imaginar e nos permite crescer", disse o cartunista Quino, criador da personagem famosa.
(ST)

27 de mai de 2008

A literatura está na moda

Não é de hoje que o estilista Ronaldo Fraga tece histórias com linha e agulha. No ano passado, o mineiro participou da exposição "Roupa é Letra" na 12a. Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, mostrando peças de várias coleções, inspiradas em Drummond, Guimarães Rosa e Jonathan Swift ("As Viagens de Gulliver"). Na coleção infantil -- "Para Filhotes"--, Fraga brinca com mil e uma histórias do mundo dos pequenos, inventa personagens e explora o que a moda tem de mais encantador, um lado de pura fantasia.



Essa história dá mesmo "Muito Pano Pra Manga", como no livro de Maria Amália Camargo, editado pela Girafinha:

Coque banana para ir à quitanda

Meia soquete pra trocar uma lâmpada.
Para ir aos correios, saia-envelope
Para um passeio em alto-mar, uma canoa no decote.
Para selar uma carta, bolsa carteiro e cabelo lambido
Para quem gosta de badalar, calça boca-de-sino.
Para fechar um acordo, combinação
Para chegar perto das nuvens, saia-balão.


(ST)

26 de mai de 2008

Você está de acordo?

Não vou sentir nenhuma falta do trema e provavelmente devo me confundir mais ainda na hora de usar ou não o hífen. Mas acho que vou levar um certo tempo pra me acostumar a ter "ideias" sem acento ou pra não engasgar no "k", no "w" e no "y" do novo alfabeto. Quem quiser ir decorando, pode encomendar o livro recomendado por Pablo Vilela, que dá a dica no seu blog, o ótimo Cadê o Revisor?

E vocês, o que estão achando dessas novas regras?
(Silvana Tavano)

23 de mai de 2008

Outras idéias

Alguns escritores criam um universo totalmente diferente do seu. Outros, parecem ser parte inseparável do universo que criam, como a escritora Índigo, que inspirou o ensaio "O Autor-Personagem", assinado pelo também escritor Luiz Bras e publicado na última edição do jornal Rascunho.

22 de mai de 2008

Casa nova

Todos os dias dou uma olhada nas novidades que a Cristiane Rogerio coloca no Ler Pra Crescer. Agora, o blog mudou de endereço e de visual: achei que ficou mais bacana ainda. Vai conferir.

(ST)

21 de mai de 2008

Parque de diversões

Essa edição da clássica história de Pinóquio foi ilustrada pelo italiano Roberto Inocenti, o ganhador do Prêmio Hans Christian Andersen de Ilustração de 2008.
Inocenti está no Rio de Janeiro e participa do 10º Salão FNLIJ --Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil--, que começa hoje, no MAM. A programação reúne muita gente bacana e, o que é muito simpático, toda criança que passar por lá sai com um livro de presente.

(ST)

20 de mai de 2008

Brinquedo novo

É só ir descendo a página e olhar do lado direito.Viu? Não é bonito, mas achei tão legal que não resisti e coloquei no blog. Tem hora que não acontece nada, mas, hoje cedo, eram várias luzinhas piscando em diferentes pontos do planeta, e o ranking indicava: 1 leitor da Grécia, 1 dos Estados Unidos, 2 de Portugal, 1 da Índia (não é sensacional?) e 2 do Brasil. Que coisa, não?

(Silvana Tavano)

Outros gatos


Tem muitas outras tirinhas do Gato e da Gata no site do cartunista Laerte.

19 de mai de 2008

Gatos húngaros

Encontrei esses gatos simpáticos no blog da ilustradora Irisz Agocs, de Budapeste. Tem muitas outras aquarelas bacanas .

(Silvana Tavano)

16 de mai de 2008

Sobre os pequenos grandes leitores

No post de ontem, uma das idéias do escritor Hernán Garrido-Lecca -- a de que os leitores adultos são mais tolerantes e influenciados pela fama do autor e da crítica -- me fez lembrar de outro escritor, o argentino Rodrigo Fresán, autor do interessantíssimo "Jardins de Kensington". Nesse romance que trata (também) das relações entre a infância e a literatura, Fresán faz algumas reflexões que vão na mesma direção:

"A literatura infantil não procura a posteridade do autor, mas encontra a imortalidade do personagem. Para as crianças, pouco importa a assinatura na capa. Mas esses leitores certamente lembram do título do livro e do nome do herói... [Livros infantis] são destinados a um leitor mais primitivo e, possivelmente, mais apaixonado. Um leitor que não liga a mínima para a vida do escritor nem para as particularidades do estilo. Um leitor puro, mas não necessariamente inocente".
...

Escrever para esses leitores é mesmo um grande desafio. Quem se aventura, tem que encarar o risco de ouvir um "não gostei do seu livro", dito a qualquer hora, com todas as letras e a mais pura sinceridade.
Por outro lado, acho que não existe um elogio melhor.

(Silvana Tavano)

15 de mai de 2008

Boas idéias

"Crianças e jovens têm tolerância zero com aquilo que não gostam. Se, na segunda página não se capturou seu interesse, deixam o livro de lado. Os adultos normalmente são mais concessivos, influenciados pela fama do autor, por uma boa crítica ou até pelo preço que pagaram pela obra... Por isso, escrever para crianças e jovens é mais difícil. A outra face dessa moeda é que, quando uma criança diz que gostou de seu livro, acredite, pois é verdade. Já com um adulto, nunca se está seguro."
...
"O denominador comum de tudo que faço é minha fé na imaginação, a arma mais poderosa que temos para enfrentar o que nos espera - seja em política, economia, arte ou na vida cotidiana. Caminho por essa estrada tratando de descobrir o que ainda não existe."
...
A América Latina é, acredito, o lugar no mundo onde a realidade supera a ficção com maior freqüência. As contradições são grandes e somos bons contadores de histórias: é uma combinação que fertiliza o campo para a criação literária."

A íntegra da entrevista com o escritor peruano Hernán Garrido-Lecca está no Caderno 2 de hoje.
Às 15h, ele conversa sobre literatura infantil com a escritora Ruth Rocha no Instituto Cervantes (av. Paulista, 2.439, entrada franca).

14 de mai de 2008

Poesia com ponto de interrogação











Do "Livro das Perguntas" (Cosac Naify), de Pablo Neruda, com tradução de Ferreira Gullar e ilustrações de Isidro Ferrer:

A fumaça fala com as nuvens?

Me diga, a rosa está nua ou tem apenas esse vestido?

As lágrimas que não choramos esperam em pequenos lagos?

Há alguma coisa mais triste no mundo que um trem imóvel na chuva?

Quantos anos tem novembro?
...

Porque não dá pra viver sem poesia e sem curiosidade, concordam?

(Silvana Tavano)

13 de mai de 2008

Quem te ensinou a gostar?

Na entrevista que deu ao El Pais, publicada na Folha do último domingo, o escritor italiano Umberto Eco conta que foi a avó materna quem o iniciou na literatura:

"Era uma mulher sem cultura, mas tinha paixão pela leitura... Ela era cadastrada numa biblioteca, de modo que trazia um montão de livros para casa. Lia de forma desordenada. Um dia podia ler Balzac e, logo depois, um romance de quatro vinténs....Assim fez comigo: ela me dava, aos 12 anos de idade, um romance de Balzac e uma história de amor de qualidade ínfima. Mas me transmitiu o gosto pela leitura".

Eu costumava ficar sem graça quando alguém perguntava sobre os livros da minha infância. Diferente da maioria dos escritores, não cresci ouvindo histórias nem vivi cercada por livros. Meus pais não tinham o hábito da leitura. Fui descobrir os livros de Lobato na estante de um primo, e os meus primeiros livros vieram através de uma amiga do meu pai. Dona Nelly era uma polonesa alta e bonita. Ela tinha um sotaque forte, fumava muito e morava na rua Bento Freitas, num predinho esverdeado que ficava em cima de uma livraria. O prédio talvez ainda esteja lá, mas a Duas Cidades fechou há muitos anos. Lembro que visitar dona Nelly era um grande programa, sempre saía de lá com um livro novo, que certamente devia ser bom e indicado pra minha idade. De resto, minhas leituras nem sempre eram as mais adequadas -- eu lia tudo o que aparecia: gibis, revistas, almanaques e livros de todo tipo. Dos 7 aos, talvez, 13 anos, devorei ótimos textos e muita subliteratura, mas o saldo desse mix foi positivo. Virei uma leitora voraz, curiosa e (quase) sem preconceitos.

E com vocês, como começou essa paixão?

(Silvana Tavano)

9 de mai de 2008

Sempre na Terra do Nunca

Ele criou a história do menino que não queria crescer e, com isso, virou um autor imortal. O dia do aniversário do escritor escocês James Barrie é um ótimo pretexto para falar de seu personagem famoso, Peter Pan, e lembrar de um dos seus melhores momentos --aquele em que ele revela um segredo importante para Wendy e as crianças: a gente só consegue voar quando tem pensamentos felizes.
...

Alguém conhece outro jeito melhor?

(Silvana Tavano)




8 de mai de 2008

Laura, Ulla, Otília e companhia

“Se você conhece alguma história de galinha, quero saber. Ou invente uma bem boazinha e me conte”.
O recado da escritora Clarice Lispector está no finalzinho do encantador "A Vida Íntima de Laura", livro que o escritor Caio Fernando Abreu considerava "a melhor história sobre galinhas" que ele conhecia. Clarice dispensa comentários -- a trajetória de Laura é pura epifania. Mas confesso que me apaixonei por Ulla, Gabi, as Marias (Rosa, Rita e Ruth), Otília, Juçara e Blondie, as simpaticíssimas galinhas, quer dizer, "As Frangas" (Globo), de Caio Fernando Abreu. Anos atrás, durante algum tempo, esse livro era "o" presente que meu filho levava para todos os amigos e amigas nos aniversários. Até que, um dia, eu e ele percebemos que tinha gente ganhando o livro pela segunda vez.
Semana passada, no meio de um cafezinho com as amigas-escritoras Carla Caruso e May Shuravel, as frangas apareceram na conversa -- lá fui eu reler e, de novo, me apaixonar pelo texto de Caio:
"... Tenho que explicar que gosto muito mais de chamar galinha de franga do que de galinha. Por quê? Olha, pra dizer a verdade, nem sei direito. Quando olho para uma galinha, acho ela muito mais com cara de franga. Acho mais engraçado. Ou só acho que acho, nem sei. Faz tanto tempo que digo franga que agora já acostumei..."

O livro é de 1988, é o único texto de CFA dedicado ao público infantil e foi considerado Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil. Na minha opinião, "As Frangas" é altamente recomendável pra todo mundo.

(Silvana Tavano)

7 de mai de 2008

Psiuuuuuuuuuuuu!

Livros bons de ler sempre, mais ainda hoje, que é o "Dia do Silêncio": "Foom Foom -- Barulhos da Cidade" (Liliana Iacocca, Ática) e "Barulho, Barulhinho, Barulhão" (Arthur Nestrovski, Cosac & Naify). Alguém tem outras sugestões?
(Silvana Tavano)

6 de mai de 2008

Mundo encantado virtual

ORAÇÃO

Deus te salve lua bela, coroa do Frei Clemente.

Me livrai de todo mal, de quebranto e dor de dente.

Deus te salve lua bela, que esse mês veio assim.

No outro mês quando venha, traz um dinheiro pra mim.


Agora minha reza para ficar
calminha?
Tem histórias animadas, brincadeiras e mineirices no site da escritora e ilustradora Angela Lago. Vai !

(Silvana Tavano)

2 de mai de 2008

No mundo das nuvens







Escocesas, peruanas, iraquianas, inglesas, gregas, italianas, francesas, brasileiras, do mundo todo. Ora suaves ora soturnas, melancólicas ou poéticas, incrivelmente infantis ou terrivelmente ameaçadoras, mas sempre belas. Difícil é selecionar as fotos mais bonitas na galeria da Sociedade de Obervadores de Nuvens, uma insólita organização fundada em 2004 pelo designer inglês Gavin Pretor-Pinney, com esse único objetivo. "Sempre adorei ficar olhando as nuvens. Não há nada igual na natureza no que diz respeito à sua variedade e carga dramática. Nada se compara a sua beleza efêmera, sublime", diz ele, na introdução do livro "Guia do Observador de Nuvens", lançado recentemente pela editora Intrínseca.

Antes de terminar de ler a orelha, já estava decidida a comprar o livro. O guia explica detalhadamente por que as nuvens têm formatos tão diferentes, fala de sua influência no clima, sobre como elas ajudam a controlar a temperatura do planeta e de que forma podem ser fundamentais na previsão de terremotos. Mas o que me encantou de verdade no livro foi o entusiasmo do autor pelas nuvens: "São a poesia da natureza e sua contemplação é benéfica para a alma. Deveríamos aplaudir sua beleza efêmera... No entanto, a maioria das pessoas mal parece reparar nas nuvens... Para muitas, não existe nada mais deprimente do que uma nuvem no horizonte". Indignado com esse estado de coisas, Pretor-Pinney resolveu sair em defesa das nuvens e fundou a tal sociedade -- "The Cloud Appreciation Society"-- num festival literário na Cornualha. Para sua alegria e surpresa, a palestra foi um sucesso e acabou virando um site que, hoje, reúne mais de 12 mil associados -- gente do mundo todo, de metereologistas e físicos a simples admiradores que escrevem, fotografam, pintam nuvens, ou apenas discutem tudo o que possa ter a ver com o tema.
As nuvens são passageiras, mas parece que o assunto veio pra ficar na vida desse inglês. Depois do site, ele inventou o livro-guia para explicar tudo sobre cumulus, cirrus, stratus e companhia. Apesar disso, o autor não recomenda a leitura para quem está interessado em informações científicas: "Não proponho [o livro] como texto metereológico, já que existem outros, fantásticos, sobre isso... Trata-se de uma celebração do passatempo descontraído, sem nenhuma finalidade prática e infinitamente alto-astral que constitui a observação das nuvens", explica.

Essa história toda me fez lembrar do Hermes. Pra quem não conhece, Hermes é um dos melhores amigos da bruxa Creuza, mago genial e respeitadíssimo. Um pouco excêntrico, é verdade, mas, indiscutivelmente, um dos cérebros mágicos mais brilhantes de todos os tempos. E uma de suas criações mais famosas é justamente o feitiço das nuvens falantes. Reproduzo aqui uma descrição desse incrível feitiço, publicada no livro "Encrencas da Creuza": "Falantes são nuvens mágicas que se misturam às comuns e giram em torno da Terra transportando mensagens e sinais especiais, entendidos apenas por outros elementos da natureza, como montanhas, árvores e animais, além de bruxos, naturalmente. Espertas, essas nuvens se desmancham assim que percebem que estão chamando a atenção de gente comum -- alguns humanos especiais, que costumam olhar muito para o céu".
Gente como Pretor-Pinney e sua turma, sem dúvida.
Depois de tudo, fiquei pensando: será que o feitiço do Hermes dá conta de despistar esses experientes observadores de nuvens? Sei não. Talvez isso seja difícil até para um bruxo experiente como ele porque tudo leva a crer que algumas nuvens falantes já foram fotografadas antes de desmanchar. Alguém tem dúvida depois de ver essas aí embaixo?


(Silvana Tavano)

1 de mai de 2008

Oba, feriado!


(Da coleção "As Melhores Tiras", de Maurício de Sousa, ed. Globo, 2006)