30 de nov de 2008

De blog em blog

Não é a primeira vez que o "Diários da Bicicleta" é convidado a participar de um "meme" -- uma espécie de corrente virtual que espalha determinado assunto de blog em blog. Acho a idéia supersimpática (não tem mais hífen, suponho...) mas, confesso, furei todos os memes pros quais fui convocada. Então, antes que essa má fama se espalhe por aí, agradeço a indicação da Elena Soboleff e vou tentar fazer a minha parte nessa história.



A primeira tarefa é listar 8 desejos.
Lá vão: eu quero...
1. ... encontrar gênios simpáticos (em lâmpadas de todos os volts)
2. ... contar mil e uma histórias
3. ... escrever mil e duas histórias
4. ... transformar sapos em príncipes...
5. ... e príncipes em melancias (quando for o caso)
6. ... tricotar com princesas interessantes
7. ... voar com as fadas e...
8. ... me divertir muito com a bruxa Creuza

O segundo passo é convidar 8 blogs pra continuar a corrente:
Maria Amália Camargo
Cristiane Rogerio
Marina Morena
Michele Prado
Rosane Queiroz
Cristiane Senna
Malu
Shirley Paradizo

Caras, eis as regras: a gente tem que comentar no blog de quem nos convidou e nos blogs de nossos(as) convidados(as) pra que saibam da "convocação". Finalmente, temos que mencionar todas essas regras. Ah, também tem que publicar o selinho do meme.
Elena, ai, quanta tarefa! Fiz tudo certo?

(Silvana Tavano)

28 de nov de 2008

Será?

Abriu o e-mail e fechou os olhos.


Observação importante: meu blog tem um defeito de, sei lá, fabricação: apesar de ser um típico modelo "blogspot", nunca consegui postar como todo mundo, com aquele cabeçalho padrão que publica automaticamente assinatura, horário, links e marcadores... Apesar disso, todos os posts estão divididos por assunto e pra encontrar um miniconto antigo ou qualquer coisa que eu já tenha escrito basta clicar na lista de "marcadores" (à direita, lá embaixo).
Todo esse blablablá, só pra dizer que hoje estou inaugurando um novo marcador: o dos miniminicontos. O de hoje tem 38 toques, contando título e espaços.

(Silvana Tavano)

27 de nov de 2008

Lobato e sua "Emilia" sem acento

....
"– Perdão, Sr. Lobato, disse Mendes interrompendo-o. Nós queremos uma entrevista séria, biográfica, com a enumeração das suas obras...
– E queremos também a sua opinião sobre a ortografia, observou Gorenstein. Nós já somos meninos quase ginasiais, científicos. Que nos diz da ortografia? Qual prefere?
– Prefiro a minha, respondeu Lobato.
– É alguma especial?
– É e não é. Não é porque é a da Academia de Letras; e é especial porque suprimi os acentos. Acho a maior burrice do mundo estar acentuando palavras que até aqui viveram perfeitamente sem essas bolostroquinhas irritantes dos acentos. A palavra Emilia, por exemplo. Os acentistas escrevem Emília. Mas o acento só é admissível para evitar confusão como em “e” e “é”. Ora, Emilia sem acento não dá lugar a confusão nenhuma; logo, acentuar essa palavra, que até aqui viveu muito bem sem acento, é besteira. Goreinstein corou ao ouvir essa palavra tão “imprópria” numa conversa de cerimônia. Monteiro Lobato fingiu que não viu e continuou:
– Só uso o acento quando necessário, como só uso o lenço quando preciso dele. Vocês sabem porque a França se atrasou dos países anglo-saxônios?
Por causa dos acentos excessivos da língua francesa. Enquanto o francês perdia tempo botando as inumeráveis bolostroquinhas com que enfeitam as palavras, os ingleses tomaram conta da melhor parte do mundo. Já reparou que na língua inglesa não existe um só acento?
– É verdade! disse Mendes arregalando o olho.
– E no entanto é mais rica de todas as Línguas modernas, a de maior número de palavras (mais de meio milhão) e a que mais se presta as mais complicadas manifestações do pensamento."...


Já foi anunciado: a partir de 1º de janeiro de 2009, os acentos de palavras como "idéia", "jóia" e "enjôo" vão sumir dos textos publicados nos jornais do grupo Estado e nas revistas da editora onde trabalho -- lá, a partir da próxima semana, vamos ter palestra-aula pra desaprender o aprendido. Não sei o que Monteiro Lobato diria sobre o fim dos tremas e dos novos tira-e-põe hífen, mas gostei da lógica que ele usa pra acabar com os acentos nessa delícia de entrevista, uma colaboração da amiga e jornalista Patrícia Cerqueira (que, até ontem, continuava digitando esse "agudinho" bem no meio do próprio nome... Será mesmo que precisa?)

Silvana Tavano

26 de nov de 2008

Aventuras e... desventuras

O Publishnews de ontem pinçou dois dos 50 fatos curiosos da vida de Barack Obama, listados pelo jornal britânico Daily Telegraph: 1) o futuro Presidente dos Estados Unidos já leu todas as aventuras de Harry Potter e 2) seu livro favorito é Moby Dick, de Herman Melville.
A nota me fez lembrar daquela declaração infeliz do nosso Presidente, em 2004, na inauguração da Bienal do Livro de São Paulo. Depois de dizer que, para as crianças, ler devia ser tão desanimador quanto as caminhadas que os adultos sedentários têm que fazer, ele ainda fez questão de justificar: "Dá uma preguiça 'desgramada'".

(Silvana Tavano)

25 de nov de 2008

Dos números

Arrumo a mala em dois tempos, não sou cheia de nove horas! Mas sempre é oito ou oitenta: levo roupa de menos ou carrego o diabo a quatro, mesmo quando é uma viagem rapidinha, daquelas que a gente vai e volta em três palitos.

(ST)

24 de nov de 2008

Tantas palavras (5)















...
A palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda,
foi inventada para ser calada.
Em momentos de graça, infrequentíssimos,
se poderá apanhá-la: um peixe vivo com a mão.
Puro susto e terror.

Trecho de "Antes do Nome", um dos poemas que a escritora Adélia Prado (na foto de Leda Maria Lucas)leu durante a Balada Literária, no sábado.

Tantas palavras (4)



"Escrever é muito difícil"

...
Alguém não concorda com Antonio Lobo Antunes?

Eu me encantei com as tantas e lindas palavras do escritor nesse vídeo que a editora (e amiga megaquerida) Liliane Oraggio mandou pra cá.

23 de nov de 2008

Ai, que chique!

A cara feia do segurança desmanchou quando eu disse que só queria fazer uma fotinho do meu livro -- fiquei toda-toda vendo o "Como Começa" bem no meio da vitrine da Livraria da Vila do shopping Cidade Jardim. Chiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiique!

(ST)

O clique

"Quando a gente faz um bom poema é como se fechasse uma caixinha --faz clique."

(A escritora Luci Collin citando João Cabral de Melo Neto, ontem, na Balada Literária)

20 de nov de 2008

Salve, Tatiana!

"Sou um pouco insegura, como qualquer pessoa que não é burra..."

"Criança não aprende. Absorve"

"Não brinquem com criança, não! Eles pensam, ponderam..."

"Não tenho preguiça, só desvontades. Às vezes a gente não tem vontade de fazer aquela coisa naquela hora, não é assim?"

"Texto não se escreve -- se reescreve"

"É chato ser fada 24 horas. Bruxa é bem melhor"

"A figura feminina mais importante da literatura brasileira não é Capitu -- é Emília"

(Tatiana Belinky, hoje de manhã, na abertura da Balada Literária)

19 de nov de 2008

Elas resolvem qualquer problema


Entre as "espertíssimas": Miss Marple, a detetive criada por Agatha Christie. Na categoria "sensível e criativa": a fada-madrinha da Cinderela; do time das "megapoderosas": a Poderosa Ísis, claro. E fazendo a linha "eficiente, porém nervosa", a bruxa Creuza. Quem mais?

(Silvana Tavano)

17 de nov de 2008

Tantas palavras (2)



... E então o hipopótamo e daí o crocodilo e de novo o hipopótamo e de repente o leão e (claro) o hipopótamo e quanta coisa acontece até aparecer o terrível mamute. Quem descobriu essa delícia de autora foi a Luciene Vieira.

(ST)

14 de nov de 2008

13 de nov de 2008

Arco-íris

Pergunto se você quer um caramelo
Ganho um sorriso amarelo

Pra não passar em branco
Invento um tombo e manco

Com o olhar verde-desconfiado
Você pede pra ver o machucado

Fico vermelho, disfarço, engabelo
Falo do reflexo dourado no seu cabelo

Fazer o quê?
Eu vejo cores em você!


(Silvana Tavano)

12 de nov de 2008

Ainda sobre os assobios...

Não afirmo porque não tenho certeza, mas desconfio que somos muitos -- nós, os "desassobiados", pra usar essa palavra tão apropriada que minha irmã inventou.
Fiquei pensando: será que a coisa se repete em outras famílias, tipo "de mãe pra filhos"? (May, Lucienne: digam vocês!). Porque nossa mãe não conseguia, mas lembro bem do meu pai, as bochechas brancas de espuma de barba inflando e desinflando no ritmo do assobio do dia... Quer dizer, eu, minha irmã e nossos filhos desassobiados reforçam a impressão de que isso deve mesmo ser uma herança materna, porque os pais dos meninos assobiam, e muito bem. Não estou me referindo só aos sonzinhos básicos que as pessoas fazem o tempo todo, sem nenhuma dificuldade ou cerimônia, no elevador, na fila do cinema, acompanhando a música do rádio... Sabe aqueles assobios ensurdecedores, que o taxista escuta mesmo quando todo mundo está buzinando? Do tipo abafa-aplauso em show de rock? Então, são assim os assobios do meu marido. E ele nem faz pra se exibir, é natural mesmo.

(Silvana Tavano)

11 de nov de 2008

No divã

Sempre me senti desajeitada nas aulas de educação física. Eu era um desastre, o tipo de aluna que desanima qualquer professor. Mas não tinha inveja das meninas que faziam aquelas estrelas e conseguiam saltar pra lá e pra cá com graça e leveza. Até porque eu também tinha os meus grandes momentos nas aulas de português, e mais ainda nos dias de prova, quando eu fazia muitas redações, a minha e de mais um monte de gente.
Outras coisas que não me chatearam: nunca ter conseguido mergulhar de cabeça (afinal, qual o problema de cair na água de pé?)nem ter ido muito longe nas aulas de piano.
Mas tenho, sim, uma frustração que carrego calada desde pequena. Aliás, literalmente calada. Não sei assobiar. Nem um fiu-fiu. E olha que eu tentei. Diziam: faz um biquinho assim. Eu fazia e nada. Põe a língua no céu da boca. Eu me enrolava inteira, engasgava, mas som que é bom, zero. Vibra a bochecha, puxa o ar pra dentro, fecha os olhos, coloca os dedos assim assado. Silêncio. Bom, às vezes até saía um "arzinho musical", uma espécie de sopro desafinado, mas nada que lembrasse um assobio, nem de longe.
O pior nem é não conseguir -- duro mesmo é fazer com que as pessoas acreditem que você não consegue. Como se assobiar fosse algo tão banal quanto piscar os olhos, pular amarelinha, essas coisas. Não, não é. Diferente de ter dotes pra ginástica olímpica ou talento musical, não conseguir assobiar é um problema. Sei lá, um tipo de defeito de fabricação. Soube disso no dia em que descobri que minha mãe não assobiava. Anos depois, outra revelação: minha irmã também não conseguia. Nunca falamos muito sobre isso lá em casa, simplesmente sabiamos. E tinha o Jeremias, que viveu mais de dez anos com a gente, preenchendo esse vazio com seus trinados caprichados.
...
Meu filho também não assobia, mas nunca se queixou dessa herança. Com ele aprendi que a gente canta e pronto. Nem sempre sai afinado, mas e daí? Já ouvi tanta gente assobiando fora do tom... Em compensação, quando a pessoa tem jeito pra coisa, nossa, é sensacional! Enquanto escrevo esse post, ouço o assobio estereofônico da Cícera vindo lá da sala: um som forte e cheio de bossa, uma beleza de assobio. Aí dá inveja, fazer o quê?

(Silvana Tavano)

10 de nov de 2008

Sonho


Alguns esforços valem a pena -- inspiração pra começar a semana com o curta de Dony Permedi, da Escola de Artes Visuais de Nova York.
(ST)

9 de nov de 2008

Cupido

Do escritor José Castello no Prosa & Verso (O Globo) de ontem:
"Na aventura de ler, mais do que a eficiência e o método, vale o estupor... Um leitor é, antes de tudo, alguém atravessado -- fulminado -- pela palavra do outro".

E não é exatamente assim que a gente se apaixona pela leitura?

(Silvana Tavano)

7 de nov de 2008

Ele vai salvar o mundo?

Essa é a promessa do Captain Obama, com superpoderes do tipo "idealismo sem precedentes, dedicado à esperança, à liberdade e à mudança" (à venda no Imagine Gate). Mais aventuras do Obama-super-herói no blog de brinquedo.

(ST)

6 de nov de 2008

Um bom jeito de contar

Encantador e comovente. "Mas por quê??! - A História de Elvis" fala da morte e de tudo o que vem junto -- revolta, tristeza, saudade-- com uma leveza incrível. Não conhecia o autor-ilustrador, o alemão Peter Schössow. Nota 10.
(ST)

Palavrear

Depois de uma aula animada sobre o dono da palavra -- o poeta Haroldo de Campos-- , novidade do projeto LivroClip, pule pro LeTroca , um jogo online em que a gente tem que usar as letras disponíveis pra formar palavras. Descobri esse recreio no Cadê o Revisor? na semana passada. Já virou minha brincadeira favorita.

(Silvana Tavano)

5 de nov de 2008

Coisas (quase) impossíveis antes do café da manhã

...
1) fazer ginástica
2) ter idéias (qualquer uma, nem precisa ser boa)
3) contar piada ou assobiar

O que mais?


(Achei que ia ser moleza listar "7 coisas", mas não consegui. Pra mim, isso é puro exercício de ficção -- acordo cedinho, quase sempre muito bem humorada e faço trocentas coisas, inclusive um café da manhã caprichado).


(Silvana Tavano)

4 de nov de 2008

Crescer

E agora -- abro ou não abro?
Melhor esperar. Minha mãe vai ficar chateada. Ela repetiu umas cem vezes: “VAMOS VER JUNTOS!”.
Nem é por isso... É que... Nem sei direito o que quero encontrar aí dentro.
Às vezes fico pensando que vai ser legal mudar. Uma escola maior, gente nova, outros professores... Mas, de repente, sei lá, tudo se inverte na minha cabeça, e começo a achar que essa escola é grande demais, tem muita gente e os professores nem devem conseguir saber quem é quem! Pior é quando penso que não vou encontrar meus amigos todos os dias. Se é que eles vão continuar sendo meus amigos!
Cinco e quinze. E ela só chega lá pelas sete -- não vai dar, acho que não agüento esperar!
E se eu ligar? É! Por que não? Claro, também é um jeito de “ver” junto!
Caixa postal. Ah, mãe! Cadê você? Quer saber: vou abrir e ler de uma vez. Chega de suspense!
E o Pedrão, será que ele também recebeu a carta? A Lu deve ter passado, tenho certeza!
Mas, e eu?
Cena um: não fui aprovado. Daí é como meu pai disse: “O destino decidiu por você”. É isso. Continuo na minha escola e pronto. Mas... Sei lá, acho que vou ficar meio mal... Mais ainda se todo mundo tiver passado no teste!
Cena dois: meu nome está aí. Isso também vai ser difícil porque então vou ter que escolher! Daí posso me arrepender de ir, e me arrepender de ficar.
É como dizem: se ficar o bicho pega, se correr, o bicho come.
Acho que eles vão me apoiar de todo jeito. Mas, no fundo, no fundo, sei que eles estão torcendo pelo final feliz “filho-aprovado-no-teste-muda-para-a-escola-onde-nós-estudamos”.
Só não tenho certeza de que esse é o melhor final pra mim. Quer dizer, nem é “final”, é começo, e o próximo capítulo da história – da minha história!-- está dentro desse envelope...
E agora – abro ou não abro?


(Silvana Tavano)

3 de nov de 2008

Depois do dia das bruxas, fadas!

Depois que a Paulinha comentou que a Gabi, sua irmã menor, adorava desenhar fadas fiz um convite-encomenda que finalmente chegou. E pra quem achar que a Gabi não teve tempo de colorir a segunda fada, ela manda um recado: "As grandes obras também podem ser em preto e branco".
Nem sei de qual das duas gostei mais!

(Silvana Tavano)

2 de nov de 2008

Uma outra história

Era uma vez Barack Obama...
Estou torcendo por ele. E vocês?

(Silvana Tavano)

1 de nov de 2008

Ficção?

A notícia é boa e bem diferente do que andei lendo e escrevendo sobre a crise e os livros. "Apesar da recessão à vista e da alta dos custos de papel e impressão, a mais recente profecia sobre o futuro do livro não fala em morte, e sim em ressurreição". No Caderno 2 de hoje, Sérgio Augusto conta que tem especialista garantindo que, agora, "os livros podem recuperar o terreno supostamente perdido para outras formas dispendiosas de entretenimento". Amém.

(ST)